Dezembro Laranja – Parte 1

Blog

CAMPANHA DEZEMBRO LARANJA- CÂNCER DE PELE (PARTE 1)

O mês de Dezembro, um mês de muita comemoração e também a chegada do tão esperado verão. Nesse mês a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), inicia a campanha contra o CÂNCER DE PELE. A campanha visa fortalecer a importância do autocuidado através de ações que previnem a ocorrência deste tipo de câncer e estimulam a atenção para diagnósticos precoce.

O Câncer de pele é responsável por 33% DOS DIAGNÓSTICOS DA DOENÇA no Brasil (fonte: Instituto  Nacional de Câncer – INCA); a cada ano registra-se 180mil novos casos. A doenças se dá pelo crescimento anormal de células que compõem o tecido cutâneo (pele). Existem diferentes tipos de câncer de pele, os mais comuns são os Basocelulares que tem surgimento nas células basais, na camada mais profunda da Epiderme (a camada superior da pele). Sua ocorrência se dá mais em regiões expostas como face, orelhas pescoço, couro cabeludo. Também há o Carcinoma Espinocelular, se manifesta nas células escamosas, que constituem a maior parte das camadas superiores da pele, podendo ocorrer em diversas áreas do corpo, porém é mais comum em regiões de exposição ao sol. Na ocorrência desta, a pele se apresenta com alterações como enrugamento, alteração na pigmentação e elasticidade, apresenta lesões sangrantes e ou até mesmo similar a verrugas, também pode ocorrer a escamação da pele. Sua maior ocorrência se dá pela exposição solar, porém pode estar associada também a lesões de pele, como feridas crônicas, cicatrizes, rejeição à órgãos transplantados ou exposição a agente químicos ou radioativos.

Melanoma

Já o tipo Melanoma é mais agressivo e letal. É o tipo menos frequente dentre os cânceres de pele. As chances de cura são de 90% se havendo diagnóstico precoce. Ele se apresenta sobre a pele como uma pinta ou um sinal com tons acastanhados ou enegrecidos, este altera sua forma, coloração e tamanho. Este pode surgir em regiões do corpo de difícil visualização. O melanoma está relacionado a produção de Melanina, responsável pela pigmentação da pele. Também pode ocorrer pela exposição solar, ou até mesmo por hereditariedade; inicia nas camadas superiores da pele e vai se tornando mais agressivo atingindo outros tecidos.

SINTOMAS

Como já citado acima, o câncer de pele se dá pela alteração do aspecto da pele, sendo pelo aparecimento de pequenos sinais, pintas e eczemas ou até mesmo lesões. Ao ocorrer percepção de qualquer alteração é necessário a procura de um profissional para a investigação e o diagnóstico. O Melanoma pode além de lesões superficiais, incidir na aparição de nódulos e inchaço nos gânglios linfáticos a depender da região afetada.

TRATAMENTOS

O tratamento deve ser iniciado o quanto antes; a modalidade escolhida dependerá do tipo e extensão da doença.

São estes:

Cirurgia Excisional: Ocorre pela remoção do tumor e uma porção do tecido ao em torno como margem de segurança com auxilia de bisturi. O material retirado é analisado.

Curetagem e Eletrodissecção: consiste na raspagem do lesão com cureta e bisturi elétrico que destrói as células cancerígenas. Usado em tumores menores.

Criocirurgia: Consiste na destruição do tumor através do congelamento do mesmo com Nitrogênio Líquido.

Cirurgia a laser: remove as células tumorais usando o laser de dióxido de carbono ou erbium YAG laser.

Cirurgia Micrográfica de Mohs: é retira o tumor e um fragmento de pele ao redor com uma cureta. O material também passa por análise.

Terapia Fotodinâmica (PDT): Ocorre pela aplicação um agente fotossensibilizante, como o ácido 5-aminolevulínico (5-ALA) na pele lesada. Após algumas horas, as áreas são expostas a uma luz intensa que ativa o 5-ALA e destrói as células tumorais, com mínimos danos aos tecidos sadios.

Além do uso de Radio e quimioterapia, imunoterapia e medicações via oral.

No MELANOMA   o tratamento também é definido de acordo com a extensão, acometimento da doença e estado geral de saúde do Paciente. As modalidades mais utilizadas são a cirurgia excisional e a Cirurgia Micrográfica de Mohs (citadas acima), além das terapias citadas acima, radio, quimio, medicações. Alguns tipos de Melanomas não possuem cura, porém o paciente hoje encontra diversas maneiras de estender o tempo de vida e estabelecer qualidade de vida, auxiliando no controle da doença a longo prazo.

 

Continue acompanhando nossas publicações…

 

Para ver o artigo anterior acesse nossa postagem Clicando Aqui.

Bibliografia.

Câncer de pele.
Disponível em:< http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/cancer-da-pele/64/>.
Acessado em: 07 de dezembro de 2018.

Escrito por: Enfª Gabriela de Castro Rodriguês Soares

 

por marcos galindo

Deixe uma resposta